Objetives – Applications of aircrafts lighter heavy than air in Brazil. Objetivos – Aplicações de aeronaves ligeiramente mais pesadas do que ar no Brasil.

abril 25, 2013 § 1 comentário


Delimitação do Tema

O tema limita-se à esfera de se estudar o conceito e a aplicação das aeronaves ligeiramente mais pesadas do que ar no Brasil.

Objetivo Geral

Compreender o conceito e a aplicação das aeronaves ligeiramente mais pesadas do que ar no Brasil.

Objetivos Específicos

Compreender as tecnologias atuais de voo.

Conceituar termos e tecnologias do transporte aéreo.

Compreender e conceituar o que é uma aeronave híbrida.

Considerar a aplicação das aeronaves ligeiramente mais pesadas do que o ar no Brasil.

Desenvolver um possível modelo de estudo.

Justificativa

O Brasil é um país com imensos vazios, tanto a selva amazônica como a nossa imensa costa (A Amazônia Azul) representam obstáculos naturais para a integração territorial.

O transporte de cargas seja para uso comercial ou para uso estatal nestas regiões impõe desafios e custos operacionais.

Existe uma lacuna nos meios atuais de transportes onde não se pode empregar pouso/decolagem horizontal que é parcialmente suprido pelos helicópteros (pás rotativas) ou pelo modo rodoviário onde existam estradas suficientemente bem estruturadas para suportar veículos especiais pesados.

Hipótese

Os ventos representam um obstáculo para os dirigíveis, mas ventos de até 30 Km /hora não impedem suas operações, mas ventos acima de 60 Km/h podem por em risco a aeronave.

A maior parte do território interior possui ventos que vão até cerca de 20 Km/h, o que torna o emprego deste meio interessante nestas regiões, principalmente nos grandes vazios de infraestrutura.

As outras regiões menos favoráveis não  impedem um estudo de microclimas para avaliar o potencial de ventos e o emprego dos híbridos, afinal no final dos anos 3o do século XX uma torre de atracação de dirigíveis foi construída em Recife e uma outra no Rio de Janeiro e estes dois pontos operaram com dirigíveis regularmente sem incidentes aéreos.

No quadro abaixo é possível ver que a área da esquerda em cinza-azulado (1995) coincide com a área da direita em verde (2001), demonstrando que a região Norte tem poucos ventos (até cerca de 20 Km/h).

QUADRO 1 – ATLAS DO POTENCIAL EÓLICO DO BRASIL

VEJA AQUI 1

Fonte: Gráfico das isopletas da velocidade básica do vento; “vo” em m/s no Brasil – NBR 10821,1995. Disponível em: [http://amaurysiqueira.pcc.usp.br/Image6.gif], acesso em 17 dez. 2012.

VEJA AQUI 2

Fonte: Fonte: Atlas do Potencial Eólico Brasileiro, 2001, Disponível em: [http://www.cresesb.cepel.br/images/faq/media_anual_ventos.png], acesso em 17 dez. 2012.

Os quadros acima confirmam que  região norte possuí pouca ocorrência de ventos (dois tons de verde: escuro e claro).

QUADRO 2 – VELOCIDADE DO VENTO A 50 METROS DE ALTURA

VEJA AQUI 3

Fonte: FEITOSA, E. A. N. et al. Panorama do Potencial Eólico no Brasil. Brasília: Dupligráfica, 2003. (adaptado). Disponível em:[http://www.luzathena.com/aproveitamento_brasil.php], acesso em 17 dez. 2012.

As possíveis aplicações no litoral brasileiro constituem um estudo mais avançado e detalhado em virtude das variações climáticas e a força dos ventos em alto mar tornarem as condições de trabalho mais severas, o que não impede a operação em vista de que os antigos dirigíveis dos anos 30 do século XX operaram aqui regularmente.

Referencial Teórico

 Uma breve apresentação da aviação e da tecnologia

A prerrogativa que  se adota neste trabalho é de que a pós-modernidade (era pós-industrial), nossa época atual, é uma época do conhecimento, onde fazer deixa de ser o mais importante, prevalecendo sobre este o “saber” como fazer. Isso afeta diretamente o Brasil, que precisa aumentar sua participação no mercado mundial “sabendo” fazer.

Como exemplo do “saber” como fazer pode-se citar como exemplo a EMBRAER, empresa nacional que conquistou o terceiro lugar no mundo com a fabricação de jatos comerciais.

Embraer, the world’s third largest maker of commercial aircraft, plans to sell dollar-denominated senior notes due in 2022 to fund general corporate purposes and working capital needs, the Brazilian company said in a regulatory filing on Tuesday.

REUTERS, 12 jun 2012[1]

O mercado mundial da aviação sofreu duras crises, principalmente aquelas atreladas ao preço do dólar e do desempenho econômico global, mas continua sendo um mercado dinâmico e atrativo, o quadro seguinte apresenta os três últimos anos.

Quadro 1 - Produção mundial de aeronaves.

Quadro 1 – Produção mundial de aeronaves.

O quadro anterior mostra uma redução da quantidade produzida e uma queda de faturamento, resultado do conturbado período do triênio 2009-2011, mas não mostra o declínio, mas na verdade certo equilíbrio, pois apesar da oscilação são números consistentes.

Os números da EMBRAER também se mostram muito interessantes neste contexto, mesmo com as crises mundiais conseguiu manter sua posição no mercado mundial, os dados dos três últimos anos da EMBRAER podem ser vistos no quadro abaixo e acompanham o comportamento mundial.

Quadro 2 - Produção de jatos comerciais da EMBRAER.

Quadro 2 – Produção de jatos comerciais da EMBRAER.

No setor de transporte de passageiros o Brasil também é destaque, pois com seu vasto território e a quinta maior população do mundo a demanda pelo transporte de passageiros também ocorre no setor aéreo.

Seguindo a tendência (crescimento de quase 12% a cada ano), em 2014, o País ficará entre os que mais transportam passageiros em voos domésticos, ficando atrás apenas dos Estados Unidos (671 milhões), China (379 milhões) e Japão (102 milhões).

 PROMOVIEW, 2011.

Toda esta expansão comercial da aviação é amparada pelo acúmulo e aplicação de conhecimentos científicos, e seu emprego é a tecnologia. A justificativa para um trabalho deste tipo ocorre pelo fato de que a aplicação do conhecimento, que se traduz como tecnologia envolve princípios científicos com aplicações aos negócios na solução de problemas no cotidiano das empresas e das pessoas, assuntos inerentes à vida do tecnólogo e profissionais afins.

Segundo a European Express Association (2011) as cargas transportadas por via aérea representam cerca de 35% do total do comércio internacional e as encomendas expressas conectam cerca de 220 países e utilizam para isso mais de 1200 aeronaves.

Outra vertente é a relevância do transporte aéreo (o modo aéreo), o mais novo de todos os meios, (considerando-se os meios terrestres, dutoviários e aquaviários como antecessores), pois desde a invenção do avião por Alberto Santos-Dumond[1] e dos irmãos Orville e Wilbur Wright[2] passaram-se pouco mais de 100 anos, e este meio possui certa peculiaridade, o mais rápido de todos os meios atuais, o que afeta diretamente o transporte alterando as relações internacionais e peça chave na globalização das economias. Tratando-se do negócio em si o transporte internacional de passageiros é liderado por este meio.

Aviation provides the only worldwide transportation network, which makes it essential for global business and tourism. It plays a vital role in facilitating economic growth, particularly in developing countries.

ATAG, 2006

Segundo a IATA (2009) o transporte aéreo suporta 2,6% da economia brasileira, e Miranda (2009) identifica que o Brasil, junto com Chile, México e Bolívia apresentam os maiores índices de demanda por viagens aéreas na América Latina, e utiliza como comparação o PIB e o crescimento da renda per capta, só que em 2011 no Brasil os embarques e desembarques cresceram 16%, bem acima do PIB (MAIA e VALOR, 2011). Isto demonstra o quanto este setor será dinâmico para a economia do País.

No Brasil o perfil do modal aéreo para o transporte de cargas na importação e exportação também acompanha a tendência atual do País, como exportador de produtos de baixo conteúdo tecnológico e importador de bens de elevado conteúdo tecnológico, isto pode ser visto no Anexo 1, onde na exportação o modal aéreo participa com cerca de 5% do total e na importação com cerca de 20%, isto se dá pelo fato de que o modal aéreo adapta-se aos bens de elevado conteúdo tecnológico, onde o volume dos estoques e o tempo de trânsito devem ser os menores possíveis.

O desenvolvimento do Brasil e a sua necessidade tecnológica estão demandando e irão demandar por serviços e instalações aeroportuárias, o que representará no futuro a mudança no perfil atual de exportações, muitas empresas tem apostado nesta direção ao observar a rápida mudança na demanda nacional por serviços aeroportuários e transporte.

Acquisition of Aeroservice will strengthen Egis’ offering in a country where development of activity is amongst the most rapid in the world: a population of more than 200 million; the world’s 7th largest economy, just behind France and the UK; and a GDP that has doubled in five years. Brazil also has the world’s second largest number of airports.

EGIS GROUP, 2012.

Por esta razão acredita-se que explicar termos, princípios e empregos das aeronaves seja relevante para os estudantes de tecnologias e afins inseridos nesta área de negócios, em especial os profissionais da Região Metropolitana de Campinas (RMC). Para Castells (1999 p. 104) o eixo Campinas-São Paulo é a região de inovação tecnológica do Brasil, um centro de saber.

A norte-americana Boeing anunciou nesta terça-feira (3) que pretende abrir ainda neste ano um centro de pesquisa e tecnologia em São Paulo, para promover parcerias com pesquisadores e universidades do país no desenvolvimento de tecnologias aeroespaciais, com investimento inicial estimado em entre US$ 4 milhões e US$ 5 milhões anuais.

G1, 03/04/2012

A ampliação do aeroporto Internacional de Viracopos e a concentração de empresas neste entorno poderá nos próximos anos ser o maior vetor de crescimento desta região, visto que este modal vem possibilitando a criação não só de cadeias globais de suprimentos, mas de complexos urbanos orientados pelo aeroporto, com a infraestrutura, os meios urbanos e os negócios, um termo cunhado como “aerotrópolis” que Kasarda e Lindsey explicam muito bem (2011, passim).

Após a conclusão das obras de ampliação, o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), vai ampliar de oito mil para 40 mil o número de funcionários contratatos para atendimento de passageiros e outros serviços aeroportuários no terminal. O projeto do consórcio Aeroportos Brasil Viracopos, formado pela Triunfo Participações, pela UTC (45%) e pela empresa francesa Egis, prevê a construção de uma cidade aeroportuária, com hotéis, centro de convenção e shopping center.

G1, 28/06/2012.

O que se entende é quanto mais desenvolvida é uma nação mais esta utiliza do modo aéreo em seu comercio internacional pelo incremento tecnológico de suas exportações. A pressão que o Brasil vem tendo em seu sistema aeroportuário é o resultado deste crescimento e do difícil compasso entre demanda e oferta de infraestrutura.

A Boeing prevê que o Brasil irá adquirir mais de 1.000 aviões nos próximos 20 anos a um custo de mais de US$ 100 bilhões de dólares.

G1, 03/04/2012

No Brasil a aviação é regulada pela Agência Nacional da Aviação Civil é A ANAC, vinculada à Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República, uma autarquia especial, suas atribuições são “regular e fiscalizar as atividades de aviação civil e de infraestrutura aeronáutica e aeroportuária” (ANAC, 2012).

Já as investigações sobre os desastres e acidentes aéreos são de responsabilidade do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes (CENIPA), subordinado ao Comando da Aeronáutica, enquanto que o controle do espaço aéreo fica a cargo do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) que é subordinado ao Ministério da Defesa e ao Comando da Aeronáutica.

O conjunto dos regulamentos da ANAC são o RBAC – Regulamentos Brasileiros da Aviação Civil e RBHA – Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica, todo este conjunto de regulamentos podem ser consultados na biblioteca da ANAC em [http://www2.anac.gov.br/biblioteca/rbha.asp], também neste mesmo sítio há referências para todo o conjunto de leis e decretos sobre a aviação e aeronaves no Brasil.


[1] Campo de  Bagatelle, Paris, França, 23 out. 1906, em frente ao Aero-Clube de Paris, FAB, disponível em [http://www.aer.mil.br/portal/personalidades/sdumont/index.htm], acesso em 04 jul 2012.  Também em HOFFMAN (2003).

[2]  Kitty Hawk, Carolina do Norte, 17 de dez. 1903, Kill Devil Hills (HOWARD, 1998 p. 133-137).


[1] Disponível em [http://in.reuters.com/article/2012/06/12/snippet-idINL1E8HC2P920120612], acesso em 04 jul 2012.

Reinaldo Toso Júnior, 25 de abril de 2013. Este material é para fins acadêmicos e destina-se ao  estudo, pesquisa e desenvolvimento, nomes, dados e citações são exclusivamente para este fim.

Referências. References: https://fatecid.wordpress.com/2013/04/25/references-referencias-applications-of-aircrafts-lighter-heavy-than-air-in-brazil-aplicacoes-de-aeronaves-ligeiramente-mais-pesadas-do-que-ar-no-brasil/

Anexos: https://fatecid.wordpress.com/2013/04/25/anexos/

Marcado:, , , , , , , , , , ,

§ Uma Resposta para Objetives – Applications of aircrafts lighter heavy than air in Brazil. Objetivos – Aplicações de aeronaves ligeiramente mais pesadas do que ar no Brasil.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Objetives – Applications of aircrafts lighter heavy than air in Brazil. Objetivos – Aplicações de aeronaves ligeiramente mais pesadas do que ar no Brasil. no Blog do Laboratório de Logística da Fatec Indaiatuba - Dr. Archimedes Lammoglia.

Meta

%d blogueiros gostam disto: